Write loud and clear about what hurts

About
Se conseguisse descrever-me em poucas palavras não tinha criado um blog. Desde 2009 a escrever sobre pedaços aleatórios de vida e histórias mirabolantes. Para questões, sugestões ou dúvidas existenciais, ana_bmd@sapo.pt




Template by Elle @ satellit-e.bs.com
Banners: reviviscent
Others: (1 | 2)


“Home is Where the ♥ is”
Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

the princess saves herself in this one
segunda-feira, 17 de julho de 2017 || 12:40 da tarde

Já vos falei de Salt, o primeiro livro de poesia que mexeu comigo e me mostrou que em duas palavras cabe um mundo de sentimentos. The Princess Saves Herself In This One é outro exemplo poderoso de como, com poemas curtos, podemos contar mil histórias. Podem perceber, pelo título, que este é exatamente o meu tipo de livro. Sempre detestei a ideia de meninas-princesa indefesas e à espera de ser salvas! Neste livro, a autora fala-nos sobre todas as feridas da sua juventude de uma forma muito bonita mas também muito honesta e, depois de abrir o jogo e nos mostrar, um por um, todos os seus dragões, relata o caminho para o amor-próprio, a auto-estima e a aceitação de quem ela é por dentro e por fora. E fala-nos de todos estes temas numa linguagem nada pretenciosa mas em que todas as palavras e todos os ritmos encaixam na perfeição.

Esta autora tem apenas 25 anos e já viveu um mundo de experiências devastadoras. E soube pegar nelas e torna-las arte. O caminho que ela fez é incrível e a sabedoria que imprime em cada página é de cortar a respiração. Gosto muito muito muito de princesas que se salvam a si próprias e esta autora não só derrotou vários dragões, como é um verdadeiro exemplo de empowerment e de resiliência. Nem por isso este é um livro triste ou muito pesado. Este livro toca em feridas e em momentos tristes, mas muito mais do que isso, fala-nos sobre momentos de definição pessoal e em amor-próprio e isso é lindo.



Se ainda não vos convenci, fiquem sabendo que a autora começa um livro dedicando-o a Harry Potter e a tudo o que a saga representou para si!

Etiquetas:


Comentários.