Write loud and clear about what hurts

About
Se conseguisse descrever-me em poucas palavras não tinha criado um blog. Desde 2009 a escrever sobre pedaços aleatórios de vida e histórias mirabolantes. Para questões, sugestões ou dúvidas existenciais, ana_bmd@sapo.pt




Template by Elle @ satellit-e.bs.com
Banners: reviviscent
Others: (1 | 2)


“Home is Where the ♥ is”
Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017

#gocorporate
domingo, 16 de julho de 2017 || 1:37 da tarde

Estou a fazer um estágio de verão numa das minhas empresas de sonho e lá, como em quase todas as empresas atentas às tendências, toda a gente com excepção das chefias trabalha em open space. Para mim é excelente porque, no meio de tantas centenas de pessoas, fico a conhecer pelo menos os colegas do meu piso, mas esta minha experiência só tem vindo a reforçar a minha opinião de que open spaces muito grandes e com muitas pessoas a trabalhar em simultâneo trazem quebras de produtividade. Perco a conta das vezes em que alguém é interrompido sistematicamente no espaço de dez minutos porque estamos todos ali ao lado uns dos outros e vejo que se torna muito mais difícil manter a concentração quando conseguimos ouvir a conversa que duas pessoas têm ao nosso lado ou duas ilhas à nossa frente. Também há muito mais pessoas a circular pelos corredores centrais e a dizer bons dias e fazer conversa de circunstância enquanto passam e muitas reuniões de equipa e de projeto em que acaba por se perder meia hora a fazer um ponto de situação a toda a gente que não está dentro da tarefa. Não me interpretem mal, estou a trabalhar numa empresa incrível e líder de mercado em vários países e tenho aprendido imenso sobre tudo, mas achava que ia sentir que os níveis de produtividade eram altíssimos e que existia toda uma eficiência que eu ainda precisava de praticar para dominar. A verdade é que na faculdade e nos meus projetos paralelos trabalho muito mais depressa e eficientemente com as minhas equipas, distraímo-nos menos, fazemos menos pausas, sentimos mais o tempo a escorrer porque temos todos que fazer malabarismo com a vida académica, profissional e pessoal - o que não é bom e uma das características que mais aprecio nestes últimos tempos de estágio é a possibilidade de fazer as coisas com relativa calma. Apesar de estar a ter um verão um bocadinho menos azul do que o normal, tenho aprendido mesmo muita coisa e respirado fundo porque, todas as experiências profissionais que tenho vindo a ter me fazem sentir menos num campo de batalha do que a faculdade. 

Etiquetas:


Comentários.