Write loud and clear about what hurts

About
Se conseguisse descrever-me em poucas palavras não tinha criado um blog. Desde 2009 a escrever sobre pedaços aleatórios de vida e histórias mirabolantes. Para questões, sugestões ou dúvidas existenciais, ana_bmd@sapo.pt




Template by Elle @ satellit-e.bs.com
Banners: reviviscent
Others: (1 | 2)


“Home is Where the ♥ is”
Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017

dos dias
segunda-feira, 24 de julho de 2017 || 11:16 da manhã

Acordo às 7h20 todas as manhãs. Espero pela minha mãe no carro enquanto ela vai buscar a encomenda diária de bolos para o café e seguimos caminho para o metro, onde ela me deixa. Há dias em que falamos alegremente e outros em que o silêncio é ouro. Apanho o metro e chego 30 minutos mais cedo porque era isso ou ter que acordar à mesma hora e não ir de boleia. Ocupo esse tempo a ler o livro do momento e, dez minutos antes de entrar, encontro-me com uma amiga para irmos juntas. Trabalho calmamente durante a manhã, com pausas ocasionais para atender telefonemas, beber café ou passar os olhos pelas mil mensagens que me vão enviando. Almoço com a amiga que encontro de manhã ou com a equipa de trabalho que me acolheu de forma espectacular. Oiço mais do que falo e não me importo, essa inversão de papel faz-me bem. Volto para a minha secretária e repito o processo da manhã, geralmente tenho mais reuniões mas não deixo de ser produtiva. Todos os dias me sinto um bocadinho mais em casa e mais a par de tudo. Partilhamos comida e bebo muita água. Saio às 18h e vou de boleia para casa ou passear com amigos. Quando chego a casa antes de jantar, deito-me em cima da cama a ler os vossos blogs, a fazer scroll infinito no tumblr ou instagram ou a dormir exausta. Acordo ou levanto-me para jantar e vejo um episódio de Ink Master enquanto como. Falo ao telefone ou com a minha tia e, antes de dormir, preparo a roupa para o dia seguinte e leio mais um pouco do livro do momento. Vai mudando a hora do banho ou algumas manhãs ou tardes que passo fora do escritório a fazer coisas diferentes, mas nestas três semanas criei uma rotina muito confortável e muito relaxante e quase tenho pena que ela tenha os dias contados.

Etiquetas:


Comentários.

It happened to me
domingo, 23 de julho de 2017 || 1:08 da tarde

Uma das minhas melhores amigas mostrou-me este site há já alguns anos e, desde então, habituei-me a consulta-lo ocasionalmente e a ler as histórias que os vários autores aí partilham. O conceito é muito simples: toda a gente é convidada a escrever um post sobre algo marcante que lhe tenha acontecido. A responsável pelo site/blog filtra o conteúdo que lhe chega, seleciona os textos que faz sentido publicar e dá os últimos toques editoriais. Na plataforma, encontramos histórias sobre todo o tipo de momentos e acontecimentos, desde leituras que nos deixam com lágrimas nos olhos a posts que nos fazem rir à gargalhada. Infelizmente, o blog deixou de ser atualizado em Dezembro de 2016, mas vale a pena irem lá espreitar e escolher algumas histórias para ler de entre as centenas que foram sendo publicadas ao longo dos anos. A rúbrica chama-se It Happened to Me

Etiquetas:


Comentários.

#gocorporate
sexta-feira, 21 de julho de 2017 || 9:50 da tarde

Já me vi em locais e situações muito atípicas, mas esta semana passei um dia inteiro numa cozinha industrial, em trabalho. Não conhecia uma única pessoa e tinha como responsabilidade, no final do dia, saber absolutamente tudo o que era feito e quem era o responsável por fazer cada tarefa acontecer. Aquilo ficava no subsolo, tinha o equivalente a 17 campos de futebol de área quadrada e a temperatura rondava os 5ºC no melhor dos casos e os -2ºC no pior. Eu entrei lá à espera de infernos flamejantes e dei por mim de toca, botas para o frio e um casacão de inverno em pleno Julho. Não sei muito bem como, mas falei com toda a gente, aprendi quase tudo o que há para aprender sobre todos os processos, sobrevivi ao frio glaciar das câmaras de conservação e arrefecimento de comida - basicamente todo o lado menos a sala onde estão os fogões - e dei por mim quase quase a discutir strippers com três dos rapazes responsáveis por arrumar a matéria prima e um dos rapazes piscou-me o olho de forma tão descarada que ambos tivemos que parar a entrevista para nos rirmos. Estive numa reunião de equipa onde não conhecia ninguém a bater palmas ao empregado do mês e em que era uma de três mulheres num universo de 30 pessoas. Cheguei ao final do dia exausta e quase esquecida que existia luz do sol lá fora. Foi um dia muito difícil e ao mesmo tempo muito fácil, sabem, tinha saudades de estar só no terreno e falar com as pessoas reais que fazem as coisas acontecer todos os dias, sem fatos e gravatas, regras de etiqueta complexas e computadores com programas de última geração. 

Etiquetas:


Comentários.

The Raven Boys
quarta-feira, 19 de julho de 2017 || 10:22 da tarde

Já disse várias vezes que não leio muita fantasia e que tenho que estar num mood específico para pegar num livro deste género. Há uns meses atrás, coloquei The Raven Boys na minha lista para ler ainda em 2017, visto que ando há praticamente um ano a ouvir as booktubers americanas dizer maravilhas sobre ele. E ainda bem que o escolhi, porque não sendo incrível, é um livro muito bom. Leve o suficiente para me permitir descansar a cabeça depois de um livro de não-ficção mas envolvente ao ponto de eu sentir vontade de ler mais depressa e virar as páginas para saber o que vai acontecer a seguir. O conceito base é original q.b e mexe com magia, mas fá-lo integrando-a sempre em cenários realistas e sem precisar de criar mundos ou universos à parte. As personagens principais são interessantes e têm algumas camadas, pelo que vão crescendo ao longo dos capítulos. Não sou uma leitura particularmente ingénua e, ainda assim, este livro conseguiu surpreender-me a sério pelo menos uma vez e deixar-me com um sorriso nos lábios com alguns dos plot twists ou eventos relativamente inesperados.



Se gostam de fantasia - ainda que só de vez em quando, como eu - e estão à procura de uma saga forte e com muito potencial, experimentem esta!

Etiquetas:


Comentários.

#gocorporate
terça-feira, 18 de julho de 2017 || 10:03 da manhã

Eu aguento muita coisa no que toca a convívio social e sou alguém que até tem uma preferência por pessoas ligeiramente mais velhas face a pares ligeiramente mais novos, mas juro-vos que se tenho que passar mais uma hora de almoço a ouvir as minhas colegas falar sobre os filhos pequenos e as tarefas domésticas, começo a ponderar a opção de me esconder na casa de banho e almoçar sandes ou de me infiltrar numa mesa onde só estejam pessoas de meia-idade e com os filhos criados Eu acho fantástico que tenham filhos e normal que falem sobre eles, mas já não aguento mais ter a mesma conversa em loop. 

Etiquetas:


Comentários.

the princess saves herself in this one
segunda-feira, 17 de julho de 2017 || 12:40 da tarde

Já vos falei de Salt, o primeiro livro de poesia que mexeu comigo e me mostrou que em duas palavras cabe um mundo de sentimentos. The Princess Saves Herself In This One é outro exemplo poderoso de como, com poemas curtos, podemos contar mil histórias. Podem perceber, pelo título, que este é exatamente o meu tipo de livro. Sempre detestei a ideia de meninas-princesa indefesas e à espera de ser salvas! Neste livro, a autora fala-nos sobre todas as feridas da sua juventude de uma forma muito bonita mas também muito honesta e, depois de abrir o jogo e nos mostrar, um por um, todos os seus dragões, relata o caminho para o amor-próprio, a auto-estima e a aceitação de quem ela é por dentro e por fora. E fala-nos de todos estes temas numa linguagem nada pretenciosa mas em que todas as palavras e todos os ritmos encaixam na perfeição.

Esta autora tem apenas 25 anos e já viveu um mundo de experiências devastadoras. E soube pegar nelas e torna-las arte. O caminho que ela fez é incrível e a sabedoria que imprime em cada página é de cortar a respiração. Gosto muito muito muito de princesas que se salvam a si próprias e esta autora não só derrotou vários dragões, como é um verdadeiro exemplo de empowerment e de resiliência. Nem por isso este é um livro triste ou muito pesado. Este livro toca em feridas e em momentos tristes, mas muito mais do que isso, fala-nos sobre momentos de definição pessoal e em amor-próprio e isso é lindo.



Se ainda não vos convenci, fiquem sabendo que a autora começa um livro dedicando-o a Harry Potter e a tudo o que a saga representou para si!

Etiquetas:


Comentários.

#gocorporate
domingo, 16 de julho de 2017 || 1:37 da tarde

Estou a fazer um estágio de verão numa das minhas empresas de sonho e lá, como em quase todas as empresas atentas às tendências, toda a gente com excepção das chefias trabalha em open space. Para mim é excelente porque, no meio de tantas centenas de pessoas, fico a conhecer pelo menos os colegas do meu piso, mas esta minha experiência só tem vindo a reforçar a minha opinião de que open spaces muito grandes e com muitas pessoas a trabalhar em simultâneo trazem quebras de produtividade. Perco a conta das vezes em que alguém é interrompido sistematicamente no espaço de dez minutos porque estamos todos ali ao lado uns dos outros e vejo que se torna muito mais difícil manter a concentração quando conseguimos ouvir a conversa que duas pessoas têm ao nosso lado ou duas ilhas à nossa frente. Também há muito mais pessoas a circular pelos corredores centrais e a dizer bons dias e fazer conversa de circunstância enquanto passam e muitas reuniões de equipa e de projeto em que acaba por se perder meia hora a fazer um ponto de situação a toda a gente que não está dentro da tarefa. Não me interpretem mal, estou a trabalhar numa empresa incrível e líder de mercado em vários países e tenho aprendido imenso sobre tudo, mas achava que ia sentir que os níveis de produtividade eram altíssimos e que existia toda uma eficiência que eu ainda precisava de praticar para dominar. A verdade é que na faculdade e nos meus projetos paralelos trabalho muito mais depressa e eficientemente com as minhas equipas, distraímo-nos menos, fazemos menos pausas, sentimos mais o tempo a escorrer porque temos todos que fazer malabarismo com a vida académica, profissional e pessoal - o que não é bom e uma das características que mais aprecio nestes últimos tempos de estágio é a possibilidade de fazer as coisas com relativa calma. Apesar de estar a ter um verão um bocadinho menos azul do que o normal, tenho aprendido mesmo muita coisa e respirado fundo porque, todas as experiências profissionais que tenho vindo a ter me fazem sentir menos num campo de batalha do que a faculdade. 

Etiquetas:


Comentários.

das pessoas
terça-feira, 11 de julho de 2017 || 10:51 da tarde

Hoje conheci duas pessoas absolutamente brilhantes e inspiradoras. A primeira tinha um dos pensamentos críticos mais aguçados que já vi e uma capacidade de inovação da qual eu (ainda) estou a anos-luz. Saí da minha reunião com ideias novas e uma lufada de ar fresco. A segunda era exatamente o tipo de profissional que eu espero ser daqui a 40 anos: rosto e palavras simpáticas e uma capacidade raríssima de transformar o mundo à sua volta para melhor com toda a calma e dignidade. Olhei para aqueles olhos já um tanto envelhecidos e percebi que o senhor com quem estava a reunir era a rocha que todos procuravam em dias de tempestade, o foco nos resultados que guia de forma implacável ao sucesso e a mão humana que percebe que a chave são sempre as pessoas. Olhem, saí de lá com os olhos a brilhar e a querer que ele me adoptasse e me ensinasse tudo o que sabe. 

Etiquetas:


Comentários.

Postcards from Prague
segunda-feira, 10 de julho de 2017 || 7:58 da tarde

Há um ano atrás Portugal ganhou o Europeu e Viena ganhou o meu coração. Meti-me num autocarro de regresso à minha casa temporária em Praga, não comi nada porque o stock do autocarro acabou no passageiro anterior a mim, fiz amizade com dois americanos, gritei com o jogo num autocarro cheio de checos, corri para o bar da faculdade no intervalo e cheguei a tempo de apanhar a maioria da segunda metade do jogo. Pulei pelo bar, bebi um shot oferta da casa a todos os Portugueses, depois de o dono ter prometido que se ganhássemos o bar era todo nosso e fui sair mesmo estando morta de cansaço. Expliquei a um colega, pela milésima vez, que não queria envolver-me com ele, fui à minha discoteca favorita de Praga, fui abraçada por Suecos e Portugueses imigrantes. Fiz as pazes com França numa conversa animada com duas francesas na fila para a casa de banho e festejámos juntas. Conheci um português a viver em Praga que acumulava todos os clichés a que acho piada e desafiava todos os estereótipos que eu tinha sobre engenheiros e ficámos amigos. Vi o sol nascer com um grupo de pessoas que me fez feliz durante quase um mês fora de casa e senti que os 21 tinham sido incríveis. Caminhei por aquelas ruas lindas com o coração cheio e a certeza que, naquele instante, eu estava onde deveria estar. 

Etiquetas:


Comentários.

[private post]
domingo, 9 de julho de 2017 || 3:31 da tarde

Os verdadeiros problemas não costumam ser os que me deixam agitada, mas sim os que me deixam imóvel e sem palavras para dar ao mundo.

Etiquetas:


Comentários.

dos dias
sábado, 8 de julho de 2017 || 7:45 da tarde

O meu cliente favorito morreu ontem e eu não tinha sido avisada que ele tinha sofrido uma recaída no último mês. O meu cliente favorito morreu ontem e eu não abrandei, mais pelo hábito de ser uma fortaleza e avançar sempre do que por ter força para continuar a andar. O meu cliente favorito morreu ontem e eu não quer imaginar um microuniverso onde ele não vai ao meu café quase todos os dias. O meu cliente favorito morreu ontem e eu não quero servir o pão com manteiga e o galão à esposa dele sem lhe perguntar por ele. O meu cliente favorito morreu ontem e falta-me o ar por saber exatamente o que é que os filhos e a esposa dele estão a sentir neste momento e por saber que amanhã será ainda pior. O meu cliente favorito morreu ontem e seis dias antes de morrer disse à minha mãe que não estava pronto para morrer e queria mais anos, mas tinha que se preparar para o inevitável. Ninguém devia ter que morrer sem estar preparado. O meu cliente favorito morreu ontem e estamos a falar de uma pessoa que celebrou sucessos e dias normais com os meus pais, fez festas à cadela, visitou o meu pai no hospital nos meses de sofrimento interminável e segurou a mão à minha mãe naquelas semanas terríveis em que a vida ainda cheirava a hospital e o coração ainda estava vazio, fez-nos companhia em muitas noites a trabalhar e brincou comigo desde que aprendi a segurar-me em pé. O meu cliente favorito morreu ontem e dele vou levar para sempre o sorriso cúmplice e o acenar de cabeça quando percebia que estava triste e as tardes incontáveis a falar sobre trivialidades que, sem que eu me apercebesse, faziam parte da minha vida desde sempre.

Etiquetas:


Comentários.

diário de bordo
quarta-feira, 5 de julho de 2017 || 10:28 da tarde

Os raros 15 minutos de paz absoluta em que sinto o coração tranquilo e o universo alinhado geralmente vêm seguidos de uma série de peripécias e sarilhos que me fazem andar às cambalhotas pela vida nas semanas seguintes. Desta vez convenci-me que era mentira e que só tinha essa sensação porque me tinha transformado numa pessimista. Depois recebi uma notícia péssima e tive uma situação ainda pior para resolver e passei o resto do fim-de-semana aborrecida. A minha vida é certeira como um relógio. 

Etiquetas:


Comentários.

Thinking Fast and Slow
terça-feira, 4 de julho de 2017 || 10:55 da tarde

Quero começar este post dizendo que este livro entrou diretamente para o meu top de não-ficção. Daniel Kahneman tem 83 anos, uma carreira de investigação em psicologia inigualável e um prémio Nobel da Economia e eu tive que me controlar muito para não ser fangirl de um senhor com idade para ser meu avô. Se precisarem de mais incentivos para ler este post, saibam que Barak Obama recomendou este livro e Kahneman cita várias vezes Nassim Taleb - outro dos meus heróis literários!

Thinking Fast and Slow fala sobre tomada de decisão, mas fá-lo abordando não apenas a racionalidade como, principalmente, o papel da nossa intuição. Quando é que podemos confiar na intuição, em que contextos a nossa mente ativa este mecanismo, que processos lhe estão inerente e qual o impacto que isto tem na nossa vida pessoal e nos sistemas económicos e sociais da atualidade. É um livro com muitos conceitos técnicos mas que se lê com facilidade porque cada conceito e mecanismo está bem explicado e é ilustrado com exemplos de vários estudos realizados dentro e fora de laboratório. Eu detesto ler livros pesados com teoria sem fim e pouca aplicabilidade e Kahneman sobre um tema que eu adoro conseguiu fugir da tendência para despejar informação que foi recolhendo ao longo da vida. O livro está dividido em quatro grandes temáticas e, dentro de cada uma dessas partes, existem pequenos capítulos que versam sobre um tema específico. Simples, organizado e de forma a ajudar os leitores a nunca perder o fio à meada. 


Sou uma apaixonada pela forma como o nosso cérebro funciona e especialmente pelos temas de tomada de decisão e poder e influência, por isso cada capítulo deste livro me trazia surpresas e confirmação de algumas opiniões que já tinha. Mas tão interessante como o conteúdo científico do livro foi poder ler sobre as experiências do autor. O curriculum dele é impressionante, com projetos megalómanos, teorias que servem de base à economia contemporânea e testemunhos que cobre a forma de funcionamento de laboratórios, firmas de finanças, revistas de investigação, o Ministério de Israel e outros tantos ambientes de trabalhos igualmente diversos. Kahneman conquistou-me quando disse que uma das ideias que ele mais defende na vida é que o sucesso é composto por uma dose de talento e uma dose igualmente grande de sorte e esta admiração pela carreira dele e pela sua forma de pensar só cresceram a medida que pude sentir a sua humildade ao longo do livro e a sua lealdade ao seu maior companheiro de investigação, com quem trabalhou duas décadas da sua vida. 

Este é um livro com muita informação, mas que recomendo muito não só pela sabedoria que vão retirar dele mas porque é genuinamente interessante e cheio de exemplos muito bons sobre a forma como o nosso cérebro trabalha e nós tomamos decisões. É importante estar atento aos principais erros para podermos lutar eficazmente contra preconceitos ou atalhos que nem sempre nos levam ao melhor resultado. 

Etiquetas:


Comentários.

postcards from Algarve
domingo, 2 de julho de 2017 || 2:29 da tarde

Voltei ao Algarve exatamente dez anos depois das minhas últimas férias lá. Os 22 têm sido um ano de primeiras vezes, mas também de reencontros e regressos a sítios onde já fui feliz.


Créditos C.D.K. Photography

Etiquetas:


Comentários.

ponto da situação
sábado, 1 de julho de 2017 || 12:59 da tarde

No último mês, alcancei dois objetivos profissionais muito desejados e muito ambiciosos. Foi curioso, porque surgiram na mesma altura e numa fase em que eu estou tão habituada a ser meia apática que não me recordo da última vez em que me senti verdadeiramente emocionada com algo. Mas ontem, enquanto percorria corredores que me são totalmente novos e que me obrigaram a lutar tanto para poder pisa-los, senti-me tão orgulhosa de mim e do quanto já alcancei que me dei ao luxo de desligar as defesas e sentir o coração bater mais forte de expectativa durante 15 minutos. E foram 15 minutos incríveis. 

Etiquetas:


Comentários.