Write loud and clear about what hurts

About
Se conseguisse descrever-me em poucas palavras não tinha criado um blog. Desde 2009 a escrever sobre pedaços aleatórios de vida e histórias mirabolantes. Para questões, sugestões ou dúvidas existenciais, ana_bmd@sapo.pt




Template by Elle @ satellit-e.bs.com
Banners: reviviscent
Others: (1 | 2)


“Home is Where the ♥ is”
Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017 Agosto 2017 Setembro 2017 Outubro 2017 Novembro 2017

Life in a Day
domingo, 18 de junho de 2017 || 8:36 da tarde

Há uns tempos, a Inês falou deste documentário e eu fiquei tão curiosa que decidi ver. Podem encontrar a review  dela aqui

Este documentário - que está disponível na integra no Youtube - retrata a vida de dezenas de pessoas, a quem foi pedido que enviassem gravações do dia 24 de Julho de 2010. A adesão foi impressionante e, entre as várias dezenas de excertos selecionados, podemos encontrar pessoas de todo o mundo e de todas as idades. Se ao início temi que esta enorme variedade pudesse tornar o filme demasiado fragmentado, a verdade é que cheguei ao fim completamente apaixonada e impressionada por o realizador ter sabido combinar tão bem tantos pedaços diferentes de filme e informação. 

Apaixonei-me por quase todas as pessoas que apareceram no documentário porque, precisamente por serem gravações amadoras e familiares, eram todas muito reais. É um peça muito crua, isto é, não há efeitos especiais nem um enredo com uma história mirabolante que faz o nosso coração saltar batidas, mas a forma como é possível conectarmo-nos a um nível emocional com quase todas as pessoas retratadas é mesmo muito bonita e mostra que sem máscaras, somos todos humanos e essa humanidade existe para nos unir independentemente de todas as barreiras. 


Aconselho muito a ver e a ativar as legendas do vídeo, porque a verdade é que sem elas é quase impossível perceber o filme, visto que são faladas mais de dez línguas. 

Etiquetas:


Comentários.