Write loud and clear about what hurts

About
Se conseguisse descrever-me em poucas palavras não tinha criado um blog. Desde 2009 a escrever sobre pedaços aleatórios de vida e histórias mirabolantes. Para questões, sugestões ou dúvidas existenciais, ana_bmd@sapo.pt




Template by Elle @ satellit-e.bs.com
Banners: reviviscent
Others: (1 | 2)


“Home is Where the ♥ is”
Dezembro 2009 Janeiro 2010 Fevereiro 2010 Março 2010 Abril 2010 Maio 2010 Junho 2010 Julho 2010 Setembro 2010 Outubro 2010 Novembro 2010 Dezembro 2010 Janeiro 2011 Fevereiro 2011 Março 2011 Abril 2011 Maio 2011 Junho 2011 Julho 2011 Agosto 2011 Setembro 2011 Outubro 2011 Novembro 2011 Dezembro 2011 Janeiro 2012 Fevereiro 2012 Março 2012 Abril 2012 Maio 2012 Junho 2012 Julho 2012 Agosto 2012 Setembro 2012 Outubro 2012 Novembro 2012 Dezembro 2012 Janeiro 2013 Fevereiro 2013 Março 2013 Abril 2013 Maio 2013 Junho 2013 Julho 2013 Agosto 2013 Setembro 2013 Outubro 2013 Novembro 2013 Dezembro 2013 Janeiro 2014 Fevereiro 2014 Março 2014 Abril 2014 Maio 2014 Junho 2014 Julho 2014 Agosto 2014 Setembro 2014 Outubro 2014 Novembro 2014 Dezembro 2014 Janeiro 2015 Fevereiro 2015 Março 2015 Abril 2015 Maio 2015 Junho 2015 Julho 2015 Agosto 2015 Setembro 2015 Outubro 2015 Novembro 2015 Dezembro 2015 Janeiro 2016 Fevereiro 2016 Março 2016 Abril 2016 Maio 2016 Junho 2016 Julho 2016 Agosto 2016 Setembro 2016 Outubro 2016 Novembro 2016 Dezembro 2016 Janeiro 2017 Fevereiro 2017 Março 2017 Abril 2017 Maio 2017 Junho 2017 Julho 2017

claramente uma ave rara
quarta-feira, 26 de setembro de 2012 || 8:44 da tarde

O facto de o meu círculo de melhores amigos ter uma propensão e um amor incondicional às saídas à noite é coisa para me estragar um bocadinho a vida. Não é que eu não goste de sair à noite, porque gosto, mas confesso que gosto ainda mais de ficar em casa, a ver as minhas séries ou a ler os meus livros. A questão é que há noites e noites e que nem sempre nos apetece sair, da mesma forma que nem sempre nos apetece ficar em casa. Do mesmo modo, se há noites em que não me apetece sair, de todo, há outras em que um jantar fora calhava mesmo bem e ainda outras em que era rapariga para ir para o bairro alto ou para um bar simpático noutra zona da cidade e ficar lá até mais tarde. Há noites para ir comer um gelado à beira rio e noites para beber shots, há noites para ficar em casa a pôr as séries em dia e noites compostas por jantar e serão em casa uns dos outros. O facto é que o meu amor por saídas à noite é muito moderado e choca com o amor incondicional da maioria dos meus amigos, criando situações em que eu acabo por sair sem ter a mínima vontade ou em que eles ficam em casa, super aborrecidos por não terem encontrado companhia para sair.



[A sério, os meus excelentíssimos melhores amigos têm vontade de sair TODOS os dias, fim de semana ou não, faça sol ou faça chuva, tendo acordado às sete da manhã ou às três da tarde.]

Etiquetas:


Comentários.

crónicas das aulas de espanhol
segunda-feira, 24 de setembro de 2012 || 9:57 da tarde

Sempre gostei de Espanhol. Ao contrário de muitos portugueses, que acham a língua irritante e o povo demasiado expansivo, eu simpatizo bastante com espanhóis. Aprendi a arranhar umas frases em Espanhol aos cinco anos, porque via desenhos animados nessa língua no canal panda, e como a escolha era entre legendas que eu ainda não conseguia ler e Espanhol, é óbvio que as legendas perderam. Porém, por razões diversas, o Espanhol foi ficando sempre para segundo plano, e acabei por nunca ir aprender a falar e a escrever como deve de ser, ficando-me sempre pelo Espanhol que aprendi com o Doraemon. Só agora na faculdade é que arranjei tempo, coragem e oportunidade e a verdade é que estou a adorar. Não me parece que vá ser uma excelente aluna, como aconteceria se estivesse a aprender italiano, mas a coisa até nem está a correr mal de todo e a verdade é que já tinha saudades de começar a aprender uma língua e de me deparar com aquele entusiasmo e todo um mundo de palavras novas como acontece quando começamos a aprender um idioma novo. Isto era tudo muito simples, muito divertido e muito normal se eu não tivesse um professor de Espanhol de vinte e nove anos, que de tão culto e divertido que é consegue tornar-se extremamente sexy...vai ser um longo semestre de testes à minha concentração, portanto.



(o facto de ele fazer referências sexuais e contar histórias de quando foi ao bairro alto e se embebedou a jogar um jogo em que tinha que beber shots sempre que falhava uma pergunta ou de como um dia conheceu uma alemã que lhe deu uma tampa, em Barcelona, não ajuda nada à minha concentração)

Etiquetas:


Comentários.

porque, infelizmente, as férias não podem durar para sempre
sábado, 22 de setembro de 2012 || 12:47 da tarde

Por muito que me custe está na hora de me mentalizar de que as férias acabaram mesmo e que vou ter pela frente um ano académico longo e infernal. Assim, estava na hora de dizer adeus ao surfista que ocupava o fundo do blog e de encontrar uma imagem que não me lembrasse constantemente que já não tenho tempo para passar as tardes na praia ou na esplanada. Digam olá a Roma ao cair da noite, que apesar do contraste com as cores claras da imagem anterior, continua a ser das imagens mais bonitas que já vi e a fazer-me sentir em casa. Ou não se chamasse este blog Home is where the heart is. 

Etiquetas:


Comentários.

claro que o post número 500 tinha que ser polémico
sexta-feira, 21 de setembro de 2012 || 12:57 da tarde

Por muito que me esforce não consigo ser a favor da praxe. Sim, eu sei que a maioria das pessoas adora e que se for bem feita pode ajudar na integração dos alunos novos, mas a verdade é que aquilo que eu vejo acontecer tem como ponto central a humilhação e não a integração. Compreendo que há pessoas que se sentem bem a participar na praxe, compreendo que há por aí praxes que provavelmente até são bem feitas, mas acho que nunca conseguiria passar por aquilo que vejo a maioria dos caloiros passar. Estou no primeiro ano da licenciatura, escolhi não ir à praxe e não me arrependo minimamente. Acabei por conhecer tantas ou mais pessoas como quem foi à praxe, mas sem a parte da humilhação, de faltar às primeiras aulas - que na minha faculdade até são importantes - de chegar a casa às oito da noite imunda e cansada de ter passado o dia a rastejar no chão e com a cara toda pintada. Compreendo que a base da praxe é a integração e o convívio e que se criam amizades fantásticas, mas o que vejo são veteranos a aproveitar-se da inexperiência dos caloiros e caloiros que alinham em situações péssimas para eles só porque são pressionados e têm um medo enorme de não se integrarem (medo esse que eu também tinha/tenho e que é perfeitamente normal). Não percebo a necessidade dos gritos, das músicas ordinárias cantadas dia e noite, da imundice, de faltar às aulas todas, da humilhação e da submissão, em geral. Se calhar não percebo porque nunca participei nas praxes, acredito que passar pela experiência muda a perspectiva que temos das coisas, mas, no meu caso, passar estes primeiros a ser chamada besta, olhar para o chão, levar com ovos e ouvir gritos nunca iria funcionar. E não, saber que mais tarde poderia praxar os outros não me consola nada, porque eu nunca seria capaz de fazer a outra pessoa algumas das coisas que vejo acontecer na praxe. 



[Dito isto, e antes que me apedrejem como costuma acontecer, acho importante salientar que nunca disse que TUDO na praxe é horrível e que condeno quem vais às praxes, apenas que não acho que funcionasse comigo e que há demasiada humilhação envolvida.] 

Etiquetas:


Comentários.

vantagens de ser estudante universitária
terça-feira, 18 de setembro de 2012 || 6:50 da tarde

No primeiro dia de aulas acabei a tarde a lanchar com um italiano que tinha acabado de conhecer na aula anterior. Pensei que isso só acontecia nos filmes. Ou a outras pessoas. Nem tudo podia ser mau :)

Etiquetas:


Comentários.

coisas boas de agora ser estudante universitária
sexta-feira, 14 de setembro de 2012 || 4:27 da tarde

Logo na semana das inscrições tive um problema e apanhei uma crise de ansiedade que me fez emagrecer 2.5 kg sem precisar de recorrer a exercício físico. Não sei como é que a minha mãe ainda me diz que eu nunca vejo as coisas pelo lado positivo...


Etiquetas:


Comentários.

Das coisas românticas e lindas da vida (ou então não...)
terça-feira, 11 de setembro de 2012 || 11:15 da manhã

Não faço parte daquele tipo de pessoas que acha que todos os momentos importantes têm que ser especiais e que os idealiza vezes sem conta na sua cabeça, pensando em todos os pormenores. Eu, desde que as coisas corram bem, já me dou por satisfeita. Sem contos de fadas, sem grandes milagres, porque esses existem, mas são demasiado raros para eu me reger por eles. Contudo, mesmo para uma pessoa como eu, foi impossível não rir no último Sábado. Nunca pensei que o momento em que eu descobriria que fui colocada no ensino superior seria fantástico e maravilhoso, mas também nunca pensei que fosse descobrir que, felizmente, fui colocada na minha primeira opção, às onze e meia da noite, numa bomba da gasolina, em Chelas, enquanto a minha mãe tentava tirar a gasolina do depósito do carro (que, só por acaso, funciona a gasóleo) e eu me esforçava para não vomitar, tal era a minha má disposição nesse dia. Realmente há momentos lindos da vida de uma pessoa. 

Etiquetas:


Comentários.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012 || 10:40 da tarde

Sou boa a manter amizades. Posso ter muitos defeitos mas, felizmente, não descarto as pessoas com facilidade. A minha melhor amiga é a mesma desde que temos quatro anos, tive a sorte de conhecer o meu melhor amigo aos seis anos e, aos 12, o meu grupo de melhores amigos ficou, finalmente completo, com o R. E por muito que todos mudemos, e por mais diferentes sejam os rumos que seguimos sei que com a nossa amizade não preciso de me preocupar, porque é forte, estável e sincera. Da mesma forma mantenho outros grupos de amigos igualmente importantes, que fui conhecendo na igreja, no secundário, aqui e ali e que só se tornam mais fortes com o tempo, como se o nosso crescimento e a nossa evolução só servissem para nos unir ainda mais ao invés de nos separar. Não tenho muitos amigos, apesar de ser uma pessoa relativamente simpática e sociável, mas os que tenho merecem a minha atenção e são realmente importantes para mim. Por isso fico triste quando vejo que um desses amigos se afasta de mim por circunstâncias da vida. Felizmente nunca perdi um daqueles amigos essenciais, que já são quase parte de mim. Ainda assim, há uns dias dei por mim a pensar numa pessoa de quem costumava gostar muito e constatei, com tristeza, que começo a ter dificuldade em chamar-lhe "amiga". Não houve zangas, nem discussões, nem ressentimentos, só a vida e os caminhos diferentes, e ainda assim tenho pena, porque para mim toda a gente é insubstituível, na medida em que é impossível criar uma relação igual com duas pessoas diferentes.

Etiquetas:


Comentários.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012 || 12:40 da tarde

Quem não me conheça que me compre. Já ando toda stressada com a faculdade e ainda nem sequer sei de entrei. O Verão ainda não acabou e eu já sinto que preciso de passar seis meses em retiro numa praia deserta algures no mundo. Acho que vamos começar este ano lectivo ainda menos entusiasmadas do que o costume...

Quando vejo imagens como esta é impossível preocupar-me com a minha educação...

Etiquetas:


Comentários.

Pretty Little Liars
segunda-feira, 3 de setembro de 2012 || 9:26 da tarde


Contra todas as expectativas, estou a adorar. 

Etiquetas:


Comentários.

medos cinematográficos
sábado, 1 de setembro de 2012 || 8:35 da tarde


O que me assusta não é o Fifty Shades of Grey (a.k.a o livro sobre sexo, sadomasoquismo e bondage que está farto de ser falado na blogosfera ) estar nos tops de vendas. Cada um lê  o que quer e ninguém tem nada a ver com isso...em teoria. O que me assusta verdadeiramente é que existem rumores de que o Ian Somerhalder e a Nina Dobrev - que são só os meus actores preferidos e o casal mais querido de sempre - podem ser convidados para interpretarem os papeis principais. Façam tudo menos pôr o Ian de chicote na mão, a sério.






[Se bem que sim, se ele for mesmo escolhido para o papel eu vou ao cinema ver o raio do filme e deliciar-me com uma hora e tal de sexo protagonizado pelo Ian Somerhalder]

[Pus esta imagem a pensar em vocês, Susana e Ika. Agradecem-me depois ;) )

Etiquetas:


Comentários.